Ragù alla Bolognese

E vocês pediram receitas. E eu entendo, sabem porquê?

Uma das coisas mais difíceis, nestes dois anos tão difíceis, foi não poder viajar. Mas a gente sempre encontra uma forma de contornar os obstáculos não é mesmo? Neste caso, passou a ser o “viajar de casa”, uma das melhores estratégias para afastar a deprê típica de quem ama viajar e não pode.

Livros, filmes, seriados, Youtube, Instagram, sites, fotografias, tudo nos ajuda a viajar de casa, e embora seja um sentimento misto de saudade, tristeza e nostalgia, ao mesmo tempo é reconfortante e nos faz reviver momentos lindos das nossas vidas.

E para mim, a comida será sempre uma das formas mais reconfortantes e prazerosas de viajar de casa. Viajar nos sabores dos destinos que amo, traz as melhores memórias possíveis.

E como vi que vocês também gostam, fui postando nos stories do instagram, os pratos que faço. E vocês gostaram, e pediram receitas. Aí surgiu este separador no meu site, dedicado a receitas, não só dos destinos com que trabalho, mas também receitas saudáveis, lowcarb, que é uma das minhas especialidades na cozinha.

Vamos a esta? Muita gente gosta de spaghetti à bolonhesa, mas na realidade na Itália ele não existe da forma que se conhece em Portugal, nos Estados Unidos, no Brasil. Na Itália o molho se chama Ragù alla Bolognese (se for da Emilia Romagna, o meu preferido) ou simplesmente Ragú. E cada região tem as suas variações. Por exemplo em Bologna tem mais tomate, e em Napoli não. Em Napoli usualmente a carne é em pedaços e aqui é moída.

Esta receita foi-me dada por uma nonna Italiana, faz muitos anos. Um Ragù delicioso, rico e denso, perfeito para uma lasagna ou um Tagliatelle con Ragù. Típico da região da Emilia Romagna.

É deliciosa, e fácil de fazer. Vamos então viajar até Itália a partir de casa?

Algumas coisitas que vocês devem saber:

  1. Nunca usem vinho de má qualidade para cozinhar. Usem o melhor vinho possível
  2. Deixem evaporar o vinho completamente, para diminuir a acidez e o prato não saber a vinho crú
  3. Esta receita requer tempo e carinho. Para ficar com este resultado claro.

INGREDIENTES PARA 2 A 3 PESSOAS

  • 1/2 cebola pequena picada
  • 1/2 pedaço de aipo cortado fininho (mais ou menos 20cm)
  • 1 cenoura pequena cortada fininha
  • 100 g de lombo de porco picado (se não gostar de porco usa só vaca)
  • 400 g de carne de vaca picada
  • 1/2 copo de vinho tinto seco
  • 1/4 copo de leite
  • 400g de passata di pomodoro (ou purê de tomate)
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva extra virgem
  • Sal grosso
  • Pimenta do reino
  • Água (se precisar)

PREPARO

1º passo, o Soffritto (refogado)

Comece a preparar o molho por aquilo que se chama o soffritto. Coloque a cebola, aipo e cenoura com o azeite numa panela, e cozinhe lentamente em fogo baixo, até ficar bem molinho e transparente.

2º passo – alourar a carne

Adicione a carne e deixe fritar em fogo alto no soffritto até toda a carne ficar dourada, mexendo sempre.

o vinho

Junte o vinho tinto (tem quem use branco, eu prefiro o sabor e profundidade do vinho tinto) e deixe evaporar completamente. Quando não sentir mais o cheiro de álcool, acrescente o leite e deixe absorver completamente, sempre em fogo médio, e mexendo só de vez em quando.

Prove, e ajuste o sal. Acrescente pimenta do reino a gosto.

a paciência – o Tomate

Neste ponto adicione a passata di pomodoro, mexendo bem com uma colher até ficar bem misturado. Deixe ferver novamente, coloque em fogo bem baixinho, tampe, e cozinhe pelo menos 2 horas e meia. Quando faltar meia hora, retire a tampa, ajuste o tempero, e se ainda estiver muito líquido, deixe cozinhar o resto do tempo até ficar no ponto, como mostra a foto. Se estiver muito denso, acrescente água aos poucos até ficar no ponto.

E agora?

E agora está pronto o seu Ragù alla Bolognese, para tornar o seu jantar ou almoço uma viagem nos sentidos e no sabor até à Bella Itália. Coma e seja feliz.

Atenção: como falei antes, esta receita foi-me dada por uma nonna Italiana. Existem variações, e claro que não pretendo dizer que esta é a original. É sim maravilhosa e muito parecida com o Ragù que como na Itália, mas obviamente não pretendo que seja considerado o vero ragù Bolognese, tá? Até porque essa receita é registada oficialmente e na Itália não se brinca com a comida ahahahaha

Atualização – Regras de Entrada na Itália – 26 de Outubro a 15 de Dezembro de 2021

Quem pode entrar na Itália

  • Cidadãos Italianos, do Espaço Schengen ou UE, assim como os seus familiares
  • Residentes legalmente na Itália
  • Mesmo não vivendo junto, quem pode comprovar relação afetiva estável com cidadãos da UE, espaço Schengen ou Itália, assim como residentes legalmente na Itália
  • Com um motivo comprovado: estudo, saúde, trabalho ou urgência absoluta
  • Pessoas que precisam de regressar a casa, residência ou habitação na Itália
  • Atletas, treinadores esportivos, juízes/árbitros esportivos, jornalistas e seus respectivos acompanhantes, quando vão participar num evento esportivo/campeonato, etc.

Vindo do Brasil

Os viajantes que permaneceram ou transitaram pelo Brasil nos últimos quatorze dias devem cumprir as seguintes condições:

  • Obrigatoriedade de apresentar a certificação de ter realizado, nas 72 horas anteriores à entrada em território italiano, um teste PCR ou antígeno (nasal) com resultado negativo, num laboratório reconhecido pela autoridade sanitária do país onde testou;
  • Preencher o formulário digital de localização de passageiros (Passenger Locator Form);
  • Obrigatoriedade de se submeter (independentemente do resultado do teste efectuado antes), à quarentena, no endereço indicado no PLF, por um período de 10 dias, após a entrada em território Italiano. A quarentena será monitorada pela Agência Sanitária Local (ASL) do seu local de isolamento.
  • Somente se pode locomover por transporte privado até chegar ao destino final.
  • Obrigação de realizar um teste PCR ou antígeno adicional ao final do período de quarentena de 10 dias, que deve dar resultado negativo.

Vindo da UE e Suíça

Se durante os últimos 14 dias, permaneceu num país da UE ou Suíça, deve cumprir o seguinte:

  • Preencher o formulário digital de localização de passageiros (Passenger Locator Form);
  • Apresentar o Certificado Digital de Vacinação/Green Pass ou outro Certificado equivalente, em Inglês, Italiano, Francês ou Espanhol que inclua a seguinte informação:
  1. Comprove um ciclo completo de vacinação nos últimos 14 dias, OU
  2. Ter feito um teste PCR ou Antígeno negativo, realizado não mais de 48 horas antes da entrada em território Italiano, OU
  3. Comprove ter recuperado de COVID19 nos últimos 6 meses

Para informações mais detalhadas, consulte o site oficial do Ministério Italiano da Saúde http://www.salute.gov.it ou o Site do Ministério de Negócios Estrangeiros http://www.viaggiaresicuri.it

A Itália Clássica

Já reparou que a grande maioria das pessoas na sua primeira viagem a Itália escolhe 4 cidades? Roma, Florença, Milão e Veneza.

São sem dúvida cidades maravilhosas, lindissimas e imperdíveis. Cada uma do seu jeito, com as suas características, costumes, gastronomia.

Essas 4 cidades fazem parte do que normalmente se chama a Itália Clássica. Pessoalmente gosto de adicionar Bolonha a essas quatro, porque é uma cidade fascinante, com uma infinidade de coisas para ver e fazer.

Qual seria a altura ideal para visitar as clássicas?

Na minha opinião, em Maio, e metade de Setembro a final de Outubro. As temperaturas são gostosas, não demasiadamente quentes nem frias, e a quantidade de turistas é significativamente menor que no Verão.

Qual seria o percurso ideal?

Depende muito do planejamento que você faz, e das cidades de chegada e partida.

Se marcar a viagem voando da forma “Multi City” ou cidades múltiplas entrando por uma cidade e saindo por outra (que muitas vezes sai bem mais barato se calcular todos os custos envolvidos, desde o transporte terrestre, estadia, etc), duas opções:

  1. Entrada por Milão – Veneza – (Bolonha) – Florença – saída por Roma
  2. Entrada Roma – Florença – (Bolonha) – Veneza – saída por Milão

Quanto tempo?

Incluindo Bolonha

  1. 14 dias – 4 dias em Roma, 3 dias em Bolonha, 3 dias em Florença, 2 dias em Veneza, 2 dias em Milão

Sem Bolonha

  1. 10 dias – 3 dias em Roma, 3 dias em Florença, 2 dias em Veneza, 2 dias em Milão
  2. 14 dias – 4 dias em Roma, 4 em Florença, 3 em Veneza e 3 em Milão

O que ver?

Depende. Muito. De quê? Do que VOCÊ GOSTA. E e aí que entro eu, desenhando o seu sonho, para que as suas férias sejam as férias dos SEUS sonhos. Vou deixar aqui uma amostra do que pode ser visto, em próximos posts vou detalhar cada cidade no circuito clássico. Valeu?

Roma

Milão

Bolonha

Florença

Veneza

Andiamo in Italia?

Andiamo in Italia significa “Vamos a Itália”?.

E não, não estou a dizer para irmos agora.

Mas porque este post então? Você pergunta.

Porque todos vocês sabem que a Itália é um amor, uma paixão sem explicação.

Desde o primeiro dia em que pisei lá.

E todos sabemos que a Itália está enfrentando um tempo muito difícil com a pandemia COVID 19.

Ontem, eu estava assistindo as pessoas na Itália cantando nas suas varandas, bem como um vídeo da Freccie Tricolore (a equipe de voo acrobático ) e as lágrimas corriam, e ao mesmo tempo arrepiava-me toda.

Não de tristeza, mas de orgulho. Ver o povo italiano unir forças e permanecer forte apesar de estar em quarentena, com as ruas vazias, monumentos fechados, restaurantes fechados.

Apesar dos milhares de positivos ao Covid19 e de mais de 1500 mortes, a Itália encontrou forças para cantar.

Fiquei com tanto orgulho daquela população sofrida, e mais uma vez a saudade bateu, e a vontade de ajudar a recuperar a Itália, assim que pudermos viajar para lá, bateu forte, muito forte.

Claro, outros países, como o meu Portugal, também merecem a minha homenagem e pedido de ajuda, mas hoje, este post é sobre a Itália.

E porque, só porque, a Itália é incrível do sul ao norte, vamos viajar virtualmente pela Italia neste post.

Forza Italia!

E acabo este post, com a minha Roma, la Città Eterna,

E por favor não virem as costas a Itália, vamos sonhar a Itália juntos, novamente, vamos aproveitar este tempo e planejar a sua viagem dos sonhos. Que sim, se irá realizar. Não agora, mas daqui a uns meses.

A sua, e a minha. Porque sim a Itália é um sonho, e porque sim, não me canso dela.

Itália uma paixão, um amor maduro, um destino imperdível

A Itália é tudo isso e muito mais.

É arte, é cultura, é história, é gastronomia, é enologia, é beleza natural e beleza edificada.

É um destino perfeito para viajar solo, para uma mulher viajar sózinha.

A Itália foi desde o primeiro dia uma paixão. Desde o circuito Itália Clássica, à Toscana, Costa Amalfitana, Umbria, Emilia Romagna….

A Itália tem cidades místicas, que se entrenham na pele, que nos fazem sonhar

De Veneza, La Serenissima, a bela, magnífica, destemperada, misteriosa, fascinante, acolhedora, intrigante, sofisticada e simples ao mesmo tempo, romântica, envolvente, Veneza. Definitivamente mulher

Florença, a cidade que cresceu em mim e se tornou um verdadeiro amor. Florença é, para a maioria das pessoas, amor à primeira vista. Para mim, apesar de adorar, não era essa paixão flamejante, era o que as pessoas chamam de amor verdadeiro e maduro. Aquele que cresce devagar e forte a cada vez, faz com que voltemos para mais. Florença da Uffizi, dos cantinhos que ninguém conhece, de Santo Spirito, do Giardino Bardini, do meu Duomo preferido. De Da Vinci, Dante, Lorenzo di Medicci, Michelangelo, Donatello, do renascentismo, dos etruscos….

Milão, tão mal conhecido, que deixa as pessoas de boca aberta quando falamos de tudo o que se pode fazer. Milão da moda, dos artesãos, Milão do terraço do Duomo, Milão dos canais….

Bolonha a magnifica em tons de vermelho e cheia de pórticos, dos mais simples aos mais elaborados. Bolonha da Universidade mais antiga, das Torres inclinadas, dos canais (sim tem!), da Mortadella, do Tortellini in Brodo, do gnocchi fritti, do friggione, do Tagliatelle al ragú, da Piadina. Bolonha da boemia, ahhh Bologna

E Roma…. Roma uma paixão infinita, uma amante sem limites, o conjunto da obra que faz dela o espelho da minha Itália. Roma é tudo e mais, muito mais. A Roma do Trasterevere, do Roscioli, do Sacro e Profano, do Forno, do Suplì, da Carbonara, da Cacio e Pepe, da Amatriciana, do Maritozzo. Roma do ghetto Ebraico, da Gianicolo, da Fontana Acqua Paola, da Fata Morgana, de San Pietro in Vincoli, de Santa Maria Maggiore, de San Paolo Fuori le Mure, da Via Condotti, da Piazza Navona, do Quartiére Coppedè, Roma….

A Itália de Saturnia, Bagni di San Filippo, Petriolo, Lajatico, Carrara, Toiano, Pitigliano; Siena, Borgo al Mozzano, Lago di Garda, lago Orta, Verona, Mantova, Bassano del Grappa, Lucca, Lardarello, Pianosa, Fiesole, Palermo, Salerno, Pompeia….

Vamos sonhar Juntas a Itália?